Já imaginou um lugar que é uma mistura de França e Itália, com um mar azul cristalino, temperatura agradável e clima ensolarado? E se ainda tiver muitas atrações para amantes de arte, cultura e história? Agora pense em viajar pela costa do Mediterrâneo para fazer o roteiro Riviera Francesa e desfrutar das belezas desse paraíso!

A região conhecida como Côte d’Azur tem cidades famosas e belíssimas como Nice, Cannes, Mônaco, Saint Tropez, Antibes. Pode ser tanto um destino de luxo, como um local para apreciadores de praia, natureza e uma boa gastronomia.

Para você que sempre sonhou em conhecer a Riviera Francesa, preparamos um guia com sugestões de 3, 5 dias e 7 dias pela região com dicas imperdíveis para sua viagem. Vamos lá?

Como fazer o roteiro para a Riviera francesa?

O primeiro ponto a se pensar ao se fazer um roteiro na França é qual tipo de cidade é mais atraente para ter como base: uma grande, movimentada, com estrutura e muitas coisas para fazer, como Nice ou uma menor e ainda assim com muito a oferecer como Antibes?

É importante levar em conta também os interesses pessoais, ou seja, se a viagem será mais focada em aproveitar as praias ou se terá muitas atividades culturais, como visitas a museus e igrejas e ainda se as opções de vida noturna também são um ponto relevante.

A segunda questão é qual o meio de transporte que será usado para se locomover entre as cidades. Já cheguei em Nice de trem, de avião e de carro. Todas as vezes, optei por usar o trem como meio de transporte, pois me permitiu acessar todos os meus locais de interesse, sem ter que me preocupar com caminhos ou estacionamento.

Entendo, no entanto, que algumas pessoas preferem explorar de carro e as vantagens são a maior flexibilidade de horários e poder acessar qualquer lugar, incluindo vilarejos ou locais mais remotos, se for o caso.

E por fim, é importante considerar qual tipo de acomodação seria a escolha: hotel ou aluguel de casa ou apartamento. A segunda opção pode trazer mais flexibilidade, já que hotéis estão limitados geralmente a cidades mais turísticas. E claro, aqui também entra o fator preço ao pensar no tipo de hospedagem.

Fiz um mapinha para dar uma ideia da localização das cidades sugeridas e organizei por dia de roteiro, tudo para facilitar a vida do leitor:

Roteiro de 3 dias na Riviera Francesa

Entendo perfeitamente que nem sempre é possível passar o tempo que gostaríamos — eu passaria meses ou anos desfrutando a Riviera Francesa, se pudesse —, mas se você tiver só 3 dias dá para ter uma visão bem geral e fica a desculpa para marcar uma próxima viagem para esse destino lindo.

Dia 1 – Nice

Localizada no departamento de Alpes-Maritimes, Nice é a maior cidade da região e onde fica localizado o aeroporto que atende várias cidades ao redor. Por isso, já pode ser considerada naturalmente o ponto de partida para explorar a Riviera Francesa.

Cercada por colinas e com um mar de um azul maravilhoso e temperatura da água ótima até para mim que sou friorenta, Nice oferece um centro histórico com muitos restaurantes, cafés, lojas pequenas e locais e também de grandes redes mundiais.

Claro que são muitas coisas para ver e fazer e 1 dia é muito pouco, então, fiz uma seleção do que fazer em Nice para você aproveitar bem o seu tempo.

Comece o dia subindo até a Coline du Château, são alguns degraus, mas há também um elevador disponível, e você estará em um parque situado entre o porto e o Promenade des Anglais, admirando a bela paisagem.

Depois vale a pena caminhar pelo Promenade des Anglais, a orla da praia, você pode andar enquanto observa de um lado o mar e do outro, os prédios com construções interessantes, sendo um dos mais emblemáticos, o Hotel Le Negresco.

Vista de Nice, na Riviera Francesa
A vista da orla de Nice é um espetáculo para se admirar. Foto: Larissa Wittig

Claro, não vai deixar de fazer uma pausa na praia, sugiro Plage des Ponchettes ou Plage Beau Rivage, que são as localizadas no Promenade. Se não quiser comer em um restaurante, pode levar pratos prontos vendidos no supermercado para comer na praia. Lembro ainda que as praias são de pedras e pode ser um pouco desconfortável ao sentar.

Ainda antes do fim do dia, vale visitar a Catedral Ortodoxa Russa, também chamada de St. Nicholas: reconhecida como monumento nacional francês, a catedral é uma obra de arquitetura única. E os amantes de arte podem visitar o Museu Nacional Marc Chagall.

Para encerrar o dia, caminhe pelas ruas de Vieux Nice (centro antigo) no fim da tarde e começo da noite: hora de explorar as vielas, ver os prédios coloridos, a atmosfera animada e parar em um dos restaurantes locais para jantar. A especialidade local é a Salade Niçoise.

Dia 2 – Cannes

Cannes é mundialmente famosa pelo Festival de Cinema é facilmente acessível por trem a partir de Nice e os viajantes podem explorar todos os pontos de interesse caminhando.

Comece o dia se deliciando no mercado Forville, vale a pena conferir o charme de um mercado do Sul da França com produtos frescos, carnes, queijos, frutos do mar, flores e muito mais em uma estrutura fechada e que funciona desde 1934.

Visite o Palácio dos festivais e congressos onde o Festival de Cinema de Cannes acontece todos os anos e aproveite para conferir no local, o Chemin Des Etoiles, uma referência a Calçada da Fama, em Hollywood, com as mãos das celebridades que compareceram ao evento.

Fachado do Palácio de Festivais em Cannes
O Palácio de Festivais é um local repleto de arte e cultura para se visitar em Cannes. Foto: Larissa Wittig

Explore o Vieux Port (Porto antigo), onde há muitos barcos e yatchs, além de lojas e restaurantes. E caminhe pelo Promenade de La Croisette, de um lado está o mar Mediterrâneo e na outra calçada, estão as lojas de marcas de luxo. Por ali, costumam ficar carros muito luxuosos como Lamborghinis e Ferraris.

Claro, aproveite para relaxar um pouco na praia, como o Promenade de La Croisette é bem longo, uma boa ideia é fazer uma pausa. Ao contrário de Nice, as praias de Cannes são de areia e bem mais confortáveis para sentar e a água é muito azul e limpa. A única questão é que praias como a Plage du Midi ficam lotadas no verão. Outra opção são os clubes de praia, onde você pode alugar cadeiras, toalhas e guarda-sóis para passar o dia.

Depois da pausa, suba a colina para Place de la Castre para ver o pôr do sol, no topo há o Château de La Castre, o icônico letreiro de Cannes e a igreja Notre Dame d’Esperance, de onde é possível ter vistas lindas da cidade.

Para encerrar o dia, que tal um jantar em Suquet? O bairro é muito charmoso, cheio de ruas estreitas de paralelepípedos e a Rue du Suquet é onde você vai encontrar muitos restaurantes e bares. Nada como frutos do mar frescos e um bom vinho para terminar o dia.

Dia 3 – Mônaco

O principado é um Estado independente e está tão próximo da França que parece parte do País. Em poucos minutos você chega lá com um trem partindo de Nice.

Acredito que a cidade remete para a maioria das pessoas a Fórmula 1, Yatchs, Ferraris, luxo e riqueza, com casinos de tirar o fôlego. A cidade é mais do que um parque de diversões para milionários, já que é possível explorar museus e igrejas, ver belos jardins, desfrutar das praias e há muito o que fazer em Mônaco.

Diferentemente de Nice e Cannes, Mônaco não é plano e pode ser mais cansativo caminhar, embora seja pequeno e as atrações próximas uma da outra, mas nada que desanime. E também há elevadores e escadas rolantes que as pessoas podem usar nas partes mais inclinadas, além da opção de transporte público de ônibus e do hop-on-hop-off.

Há muitas opções de para continuar explorando a Riviera Francesa, como veremos a seguir:

  • Visite o Museé Océanographique (Museu Oceanográfico): localizado no alto de uma montanha, na parte antiga da cidade, sendo dedicado à ciência marinha, oceanografia e conservação marítima. Em funcionamento desde 1910, o espaço também chama atenção pela sua arquitetura impressionante;
  • Conheça o Palais Princier (Palácio Real de Mônaco): a residência oficial da família real de Mônaco que teve sua origem no século XIII, oferece vistas maravilhosas do mar mediterrâneo e das redondezas. Também é possível acompanhar gratuitamente, a troca da guarda, todos os dias às 11h55 em frente ao palácio;
  • Visite a Catedral Saint Nicholas: a igreja em estilo Romano-Bizantino abriga as sepulturas dos membros da família real e tem um grande órgão, com som excepcional;
  • Explore La Condamine: desça a montanha e passeie pela área de Port Hercule. Seguindo na direção de Monte Carlo, você vai passar pelo circuito do Grand Prix, já que essa corrida é especial justamente por acontecer nas ruas da cidade;
  • Maravilhe-se com o Casino Monte Carlo: o ponto mais conhecido do distrito de Monte Carlo é sem dúvidas, o seu casino, que é famoso mundialmente pela sua sofisticação e jogos com apostas altas. O local foi construído em 1865, seguindo a estética da Belle Époque e já apareceu em muitos filmes, incluindo a saga de James Bond.

A Place du Casino, onde está situado, é interessante para apreciar a beleza da Ópera de Monte Carlo ou olhar as vitrines das boutiques exclusivas (e caríssimas).

Já estive no Casino Monte Carlo de dia e de noite e digo que durante a noite dá para realmente sentir a atmosfera do local. O que fiz foi pegar o trem de Nice para Mônaco no fim da tarde, jantar lá, ir ao Casino — ver as apostas e tomar um drink — e voltar para a estação a tempo de pegar o último trem do dia para voltar.

Fachada do cassino de Montecarlo no carro chiques na porta
O Cassino de Monte Carlo é parada obrigatória para quem visita Mônaco

Optei por fazer assim porque para entrar no casino à noite existe um dress code, mas nada muito complicado, basta uma roupa arrumadinha, e seria difícil andar o dia todo pelo principado sem estar vestida confortavelmente, e mais desafiador ainda, continuar arrumada até o final do dia.

Fechar o roteiro de 3 dias com uma noite no Casino de Monte Carlo seria bem representativo da atmosfera de sofisticação e luxo da Riviera Francesa.

Roteiro de 5 dias na Riviera Francesa

E para quem pode ter mais tempo, perfeito! As minhas apostas são em outras duas cidades muito famosas da região e que fazem por merecer os reconhecimentos.

Dia 4 – Antibes

É um dos meus bate e voltas preferido, partindo de Nice porque apesar de também ter o lado luxuoso característico da Côte d’Azur, Antibes oferece muitas opções para quem se interessa por história e arte. Além disso, em 1 dia na cidade é possível fazer muita coisa.

Comece o dia explorando a cidade antiga, as charmosas ruas de paralelepípedo e os prédios históricos transportam os viajantes para o passado. Caminhando pelo local, você vai encontrar muitas coisas interessantes, como o Marché Provençal, um mercado ao ar livre com produtos regionais frescos ou a impressionante Cathédrale Notre Dame de la Platea, que foi construída no século V.

Aproveite para visitar o Museu Picasso, o famoso artista viveu e trabalhou em Antibes, por isso, há um museu em sua homenagem, que tem 250 itens em seu acervo, entre pinturas, desenhos, esculturas e cerâmicas. O prédio por si só também vale a visita, é o Château Grimaldi, um castelo do século XIV com vista para o mar e um belo jardim.

Após a visita ao museu, é possível descobrir mais de Picasso ao caminhar pela cidade. No centro antigo, preste atenção em placas com o nome o artista, pois há a marcação de locais onde ele pintou algumas de suas obras mais conhecidas. Na Place Nationale, você encontra uma estátua de Picasso que parece buscar inspiração na cidade para mais uma de suas pinturas.

Vista de Antibes, na Riviera Francesa, com famosa marina ao fundo
Não deixe de explorar as belas ruelas de Antibes e depois visitar a marina

Aproveite, ainda, para fazer compras nos mercados e lojas de artesãos locais. A Rue Sade é um ótimo lugar para compras. Além de produtos regionais e tradicionais como chocolates, joias, obras de arte e cerâmica.

Visite a Cap d’Antibes, a linda península é um paraíso para os amantes da natureza por oferecer diversas trilhas. Também é famosa pelas vistas do mar Mediterrâneo e as praias que são tão bonitas que parecem pinturas, como Plage de la Garoupe ou Plage de la Salis. É um destino luxuoso, cheio de hotéis e villas sofisticadas e não deixe de visitar o farol para ter vistas maravilhosas e fazer ótimas fotos.

Aproveite para relaxar na praia, o convidativo mar da Côte d’Azur vai esperar por você em uma das várias opções de praias que a cidade oferece. Uma das mais populares é a Plage de la Salis com areia e águas cristalinas.

Veja e sonhe com os Yatchs em Port Vauban, a maior marina do Mediterrâneo e abriga alguns dos yatchs mais luxuosos do mundo e também vários tipos de barcos. Tem sempre muita coisa acontecendo nos inúmeros bares e restaurantes do local e celebridades são frequentemente vistas na marina.

Dia 5 – Saint Tropez

Na década de 50, o filme “E Deus criou a mulher” estrelado por Brigitte Bardot transformou a pequena vila de pescadores de Saint Tropez em um destino de fama mundial. Sem dúvidas, é um local chique e que exerce um fascínio inegável.

A questão é que partindo de Nice, não é um bate e volta prático com o trem, como as sugestões anteriores. É necessário pegar o trem para Saint Raphael (que também vale uma visita) e depois um barco até Saint Tropez. Recomendo muito, porém, devido ao deslocamento, sobra menos tempo para explorar o destino.

Também há a possibilidade de reservar tours de barco, partindo diretamente de Nice para Saint Tropez ou ainda, dá para ir de carro (cerca de 100 km). O importante é ir e conferir essas atrações imperdíveis:

  • Passeie pelo Vieux Port (porto antigo): um dos locais mais visitados da cidade e perfeito para ver desde barcos de pescadores até luxuosos yatchs, os prédios coloridos e as pinturas urbanas, e depois sentar em um dos inúmeros cafés para ficar olhando quem passa por alí, o famoso people watch;
  • Recarregue as energias na praia: uma das melhores ideias é explorar as águas de tom azul-turquesa. A mais conhecida é Plage de Pampelonne porque foi o local de gravação do filme que deu fama a Saint Tropez, mas Tahiti, Moorea, Plage des Canoubiers ou Plage de la Ponche são ótimas opções. O ponto é que ficam um pouco distantes e é necessário um carro para chegar nelas (pode ser táxi também). Para possibilidades próximas ao centro, considere Plage de la Bouillabaisse ou Plage des Graniers;
  • Visite o Museé de L’Annonciade: o prédio era uma igreja do século XVI que foi convertida em museu e abriga um grande acervo de pinturas pós-impressionistas de artistas que viviam em Saint Tropez no século XVIII, como Matisse;
  • Suba até a Citadel: as muralhas construídas no século XVII são um ótimo local para desfrutar da vista da cidade. Para quem tiver interesse em conhecer mais da história local, ali está também o Museé d’Histoire Maritime;
  • Caminhe pela Place des Lices: é uma praça para sentir o velho charme de Saint Tropez, em oposição a atmosfera de luxo atual, pois é onde os moradores locais tomam café e jogam Pétanque — jogo com bolas, popular na França.

Roteiro de 7 dias na Riviera Francesa

Esse tempo permite explorar bem a região e há a possibilidade tanto de visitar uma cidade diferente a cada dia, como permanecer mais tempo em algumas delas. Certamente, a maioria tem atrações que necessitam dois dias para serem vistas com calma.

Para quem tem o plano de visitar mais locais, vou sugerir duas cidades que considero interessantes e que podem ser experiências um pouco diferentes do que foi visto até aqui, proporcionando uma visão mais abrangente da Riviera Francesa.

Dia 6 – Villefranche-Sur-Mer

Definida por muitos como a autêntica Côte d’Azur, essa pequena vila fica a poucos minutos de trem, de Nice, no entanto, desembarcar ali, dá uma sensação de ter ido parar bem longe da agitação.

E por que não seguir o clima do local e reduzir também o ritmo, se permitindo desfrutar da tranquilidade? Veja o que se pode fazer em Villefranche-Sur-Mer:

  • Passeie pelas ruazinhas coloridas: preste atenção nas casas com floreiras na janela ou nos imóveis históricos e procure com calma os melhores lugares para tirar suas fotos;
  • Passe o dia na praia: a vila não é exceção quando o assunto é a beleza do mar Mediterrâneo e aqui você encontra algumas das praias mais belas da região. Tente a Plage des Marinieres, uma praia com longa extensão e uma faixa de areia estreita, com sol na maior parte do dia;
  • Faça compras no mercado local: se você estiver em Villefranche-Sur-Mer em uma quarta-feira ou sábado pela manhã, não deixe de ir ao mercado no Promenade de l’Octroi para comprar frutas e vegetais, queijos, azeite de oliva ou ver flores. Minha sugestão é comprar comidinhas para um piquenique na praia;
  • Coma e beba no Promenade: o Quai de l’Amiral Courbet tem restaurantes e bares atraentes, porém caros, mas vale a pena dar uma olhada.
  • Admire a vista na Citadel: é um clássico da Riviera Francesa, subir a montanha para ver a paisagem da melhor forma possível. Você vai encontrar uma fortaleza medieval do século XVI que hoje é a Prefeitura e alguns pequenos museus;
  • Impressione-se com a capela de Saint Pierre: construída no século XVI, teve o seu interior decorado por Jean Cocteau, que viveu nas proximidades (na cidade de Menton).

Dia 7 – Grasse

Essa sugestão é para mudar um pouco os ares, já que apesar de ser parte da Riviera Francesa e estar próxima de Cannes e Nice, também facilmente acessível por trem, aqui as principais dicas do que fazer, não têm a ver com as praias.

Grasse é muito conhecida por sua indústria de perfume e a maior parte das atrações gira em torno disso. Que tal mergulhar nessa aventura cheirosa por 1 dia?

  • Visite Le Museé International de la Parfumarie: aqui é contada a história do perfume desde a Antiguidade, explorados todos os passos para a criação de essências e revelado o mistério do perfume Chanel No. 5. É uma opção atraente para crianças por ter atividades interativas em que elas cheiram e tocam;
  • Se perca pelo centro antigo: Grasse oferece um universo medieval cheio de ruas estreitas e escadarias com construções que mostram as mais diversas influências. Você vai ver lojas, cafés, fontes, praças e não deixe de conferir a catedral Notre-Dame du Puy, com obras de Louis Brea, Rubens e Fragonard;
  • Crie o seu perfume: as perfumarias históricas da cidade — Fragonard, Galimard ou Molinard — oferecem visitas explicando como funciona o trabalho de aprender a cheirar, misturar essências e finalmente produzir uma fragrância. Um expert dá as dicas para que os visitantes possam desenvolver os próprios perfumes;
  • Maravilhe-se nos campos de flores: Grasse oferece biodiversidade em seus campos de flores entre o mar e a montanha. Entre maio e junho se pode apreciar rosas, e entre agosto e outubro é a vez do jasmim.

Quantos dias são suficientes para a Riviera Francesa?

Na minha opinião, 7 dias seria um bom período. A Riviera Francesa reúne muitas cidades interessantes para serem exploradas, então diria que quanto mais dias for possível ficar, melhor será.

Se a viagem for durante os meses mais quentes, é muito bom para ficar na praia relaxando, nadando, tomando algo e observando as pessoas ao redor. Nos destinos de verão na Europa é importante ter em mente que os períodos de espera para atrações e restaurantes podem ser mais longos, podendo complicar o planejamento, se as horas estiverem contadas.

Já no inverno, tem as visitas aos museus, as lojas, as paradas para um café ou um longo jantar que também não combinam com pressa. Como há menos coisas para se fazer, então, recomendaria 5 dias para uma visita à região se a viagem for durante a estação mais fria.

Qual é a melhor época para conhecer a Costa Azul?

A primavera funciona bem para a maioria dos destinos europeus e a Riviera Francesa não é uma exceção. O clima já está quente, mas um calor agradável e não aquele que acaba com a gente em algumas partes do velho continente, em agosto. Em junho, a temperatura do mar também está boa para a maioria das pessoas e é possível nadar.

Já viajei bastante durante o verão pela Europa e quando meus filhos começarem a frequentar a escola, terei que ir na alta temporada novamente. E atualmente, amo tirar férias na primavera (maio e junho) e recomendaria para todos o mesmo período.

Além disso, as cidades estarão menos cheias de turistas, a alta temporada, em muitos casos, significa atrações lotadas, restaurantes com fila de espera, transporte público mais caótico ou dificuldades para achar estacionamento disponível. Além dos preços das estadias também podem ser mais convidativos nos meses que antecedem o verão.

Para os brasileiros, a experiência de viajar na primavera ou outono é interessante porque na maior parte do nosso País não temos estações muito definidas. Já na Europa, a primavera é encarada como um renascimento após o inverno rigoroso. A vegetação volta, as flores estão por toda parte, os animais também aparecem novamente (principalmente insetos e pássaros) e as pessoas querem sair e aproveitar o sol, que dura até bem tarde. Acho essa atmosfera de animação bem contagiante.

praia com cadeiras e sombrinhas tradicionais em listras branco e azul em Nice
As praias de Nice tem a marcante característica de sombrinhas e cadeiras listradas. Se prepara para distá-las no verão

Só preste atenção que na primavera acontece o Grand Prix de Mônaco, um evento anual e famoso mundialmente, é sempre no final de maio ou começo de junho. Se você não tiver interesse em corridas de Fórmula 1, pesquise a data exata do evento no ano da sua viagem. Tente evitá-la, pois, certamente, as cidades ao redor estarão mais cheias e pode ser mais difícil encontrar hospedagem, além de os museus em Mônaco estarem fechados no dia do Grand Prix.

Outro evento muito conhecido que acontece em maio é o Festival de Cinema de Cannes e dura cerca de duas semanas. Embora o festival não ofereça acesso ao público, também faz com que a cidade receba muitos visitantes que são profissionais da indústria cinematográfica.

Alternativamente, o outono (setembro e outubro) pode ser uma opção interessante porque continua quente e o mar ainda tem uma temperatura agradável, no entanto, são meses mais chuvosos na região. Se for viajar nesse período, invista em um bom guarda-chuva.

Para quem gosta de viajar para a Europa no inverno, o frio da Riviera Francesa é mais ameno do que em outras partes do continente e há muitas atrações para serem exploradas, além das praias. Em Nice, por exemplo, se pode aproveitar nesse período, as celebrações de carnaval famosas mundialmente (mas bem diferentes das nossas, no Brasil).

Planejando a viagem para a Riviera Francesa

Para uma viagem incrível um roteiro bem planejado é essencial e isso inclui escolher com atenção a hospedagem e o transporte que você vai usar durante as férias.

Escolha da hospedagem

Essa escolha é muito pessoal porque como dito anteriormente, vai depender dos interesses de cada um, dos meios de transporte escolhidos e do tipo de hospedagem preferido.

Em um roteiro de 3 dias recomendaria se hospedar em uma cidade apenas e fazer bate e voltas. Para isso, acho Nice muito conveniente e diria que ela tem uma vocação mesmo para servir de base em função da rede de transporte — único aeroporto da Riviera Francesa e muitas opções de trem de curta e longa distância, além de oferecer diversas opções de hospedagem.

Em um roteiro de 5 ou 7 dias, muitas pessoas podem achar interessante pernoitar em duas cidades diferentes. Continuaria em Nice, mas Cannes e Antibes podem ser boas opções por terem muitas coisas para fazer, opções de vida noturna e também por serem bem acessíveis por transporte público.

Escolha do transporte

Escolher o transporte é um pouco desafiador, mas elegeria trem ou carro para viajar pela Riviera Francesa. Como provavelmente já deu para notar, sou uma grande partidária de trens para viajar pela Europa porque acho fácil e seguro.

A Riviera Francesa é bem servida no quesito transporte público e a Omio pode ajudar você a descobrir os melhores preços e horários, não apenas de trens como de ônibus, voos e barco e ainda pode ser acessada pelo aplicativo.

Diria, no entanto, que se houver interesse em conhecer locais mais remotos, alugar um carro é uma boa ideia. Para ir até Saint Tropez e se locomover por lá, ajudaria bastante, por exemplo.

Para quem se interessar por essa opção, uma boa ideia é fazer uma cotação de locação de carros na plataforma DiscoverCars, que compara ofertas de diversas empresas em toda a Europa.

Programação dos passeios

Uma coisa que recomendo considerar no seu planejamento é adquirir ingressos para as principais atrações com antecedência, pois assim é possível economizar tempo, muitas vezes dinheiro e evitar que os ingressos estejam esgotados, quando for comprar presencialmente, o que pode facilmente ocorrer na alta temporada.

Com o GetYourGuide, é possível comprar já os bilhetes que você não quer perder de jeito nenhum, além de encontrar tours que podem ser opções interessantes, como degustações, por exemplo. Assim já dá para viajar bem preparado.

Outra sugestão é o French Riviera Pass que tem opções de 24 horas, 48 horas ou 72 horas e dá acesso a diversas experiências culturais nas cidades de Nice, Beaulieu-Sur-Mer, Saint- Jean- Cap-Ferrat, Eze, Cagnes-sur-Mer, Antibes e Mônaco.

Fique conectado durante a viagem

Nada melhor do que já chegar no destino podendo se conectar à internet, acessar todas as informações necessárias da viagem e se comunicar com a família e amigos. Atualmente, é possível comprar um chip internacional como o da America Chip e viajar preparado.

Existe ainda a opção de adquirir um chip diretamente na França, mas isso significaria gastar tempo precioso procurando por um e depois uma possível dificuldade para entender como funcionam os pacotes locais.

Espero ter ajudado no planejamento da viagem para a Riviera Francesa e trazido ideias inspiradoras. Que os leitores possam realizar esse sonho, que tenham ótimas lembranças e queiram sempre voltar. Bon voyage!