Museu d’Orsay: o que ver, como chegar, ingressos e mais

Visitar Paris  / 

O Museu d’Orsay é uma das galerias de arte mais interessantes de Paris. Construído onde antes ficava uma estação de trem, só sua arquitetura já valeria a visita. Mas ele tem muito mais a oferecer.

Encontre o melhor pacote de férias para a Europa

Pacotes de Viagem, Circuitos, Multi Destinos, Cruzeiros.

Confira as promoções na Logitravel e garanta sua viagem dos
sonhos para a Europa.

VER OFERTAS DE FÉRIAS »

Grandes nomes da pintura e da escultura estão por lá, como os mestres Renoir, Cézanne, Gauguin e Monet. As famosas bailarinas de Edgar Degas são atrações imperdíveis na visita. Encante-se também com um clássico dentre as obras do pintor holandês Van Gogh, o quadro “Noite Estrelada no Rhone”, de 1888, e seu autorretrato, de 1889.

Ficou curioso? Confira as informações necessárias para planejar sua visita e ainda aprender sobre os segredos e histórias desse fascinante museu.

Informações sobre o Museu d’Orsay

LOCALIZAÇÃO

1 Rue de la Légion d'Honneur, 75007 Paris, France

COMO CHEGAR

Metrô: estação Solferino (linha 12);
RER: Musée d'Orsay (linha C);
Ônibus: linhas 24, 63, 68, 69,73, 83, 84 e 94

HORÁRIO

De terça a domingo, das 9h30 às 18h

TICKET

Inteira: 14€;
Reduzida: 11€;
Gratuita: menores de 18 anos e cidadãos da União Europeia entre 18 e 25 anos

Conheça a história do Museu d’Orsay

Pequeno, mas organizado e inspirador, o Museu d’Orsay é parada obrigatória para quem visita Paris. Sob o encanto da arquitetura que já abrigou uma estação ferroviária, o museu contém um dos maiores e bem selecionados acervos impressionistas e pós-impressionistas, além de esculturas e muita arte em forma de arquitetura e decoração.

São vários os motivos pelos quais o Museu d’Orsay deve constar como visita obrigatória em seu roteiro e um deles é a sua própria história.

O início

Preste atenção em especial na arquitetura: o d’Orsay está localizado em uma antiga estação de trem que foi inaugurada nos idos de 1900 para a Exposição Mundial de Paris.

A estação teve tráfego de trem até 1939. Projetada pelo arquiteto Victor Laloux, a moderna construção ainda trazia uma cúpula de vidro completamente fechada e trens elétricos. Tudo pensado para que os viajantes não sofressem com a fumaça.

O edifício já era luxuoso à época, com obras de arte na composição.

O declínio e uma esperança

Após o final da Segunda Guerra Mundial, entretanto, a estação foi caindo em desuso, recebendo apenas trens de periferia e abrigando também prisioneiros e deportados em 1945.

Vai viajar para a Europa? Veja todos os documentos obrigatórios

Fizemos um checklist de todos os documentos recomendados e obrigatórios para se viajar para a Europa.

RECEBER GRÁTIS »

Seu abandono culminou em ideias de substituição, que foram desde um centro administrativo da Air France chegando a construção de um hotel internacional, devido a sua localização privilegiada.

Com uma ordem de demolição já expedida desde 1960, o ano de 1971 marcou uma reviravolta no destino de Orsay. O Ministério do Equipamento e da Habitação se recusou a dar continuidade a licença para construção do hotel, alegando inadequação do projeto devido ao seu peso e altura.

Arte e cultura já apareciam por lá

Embora inalterada, a estação já foi palco de cultura antes de ser transformada em museu. Isso porque em 1971, a Casa de Leilões Drouot-Rive Gauche e a tenda de circo da companhia Renaud/Barrault de teatro folham acolhidas pela imponente edificação.

Intacta até 1973, a estação e seu hotel permanecem sob idealizações mais delicadas, e em 1978 é aberto um concurso de arquitetura a fim de definir o destino de Orsay.

O Museu d’Orsay ganha vida

O concurso chega ao fim no ano seguinte, em 1979, onde três jovens arquitetos (Pierre Colboc, Renaud Bardon e Jean-Paul Philippon) apresentam o projeto do museu. Em 1980, as alterações arquitetônicas do interior do museu são designadas à decoradora italiana Gae Aulenti.

Quase 10 anos após o início dos projetos, o Museu d’Orsay é inaugurado em 1986, conservando traços da estação que abrigou no passado e reunindo obras de arte ocidentais datadas entre 1848 e 1914 — um período curto, mas extremamente valioso.

Na visita, se atente ao prédio: ele ainda conserva o encanto da antiga estação de trens e continua sendo passagem de milhões de pessoas anualmente.

estação d'orsay

Confira uma lista de museus gratuitos em Paris.

O que ver no Museu d’Orsay

Se pensarmos em períodos das obras de arte que estão espalhadas por Paris, o Museu d’Orsay fica no meio. É dedicado às artes plásticas do século XIX, cobrindo os anos entre as obras expostas no Museu do Louvre, anteriores, e do Centro Pompidou, posteriores e mais modernas.

É lá que estão algumas das grandes obras impressionistas e pós-impressionistas. Também podem ser vistas coleções de esculturas, artes decorativas e elementos arquitetônicos.

Obras-primas da pintura, lado a lado com esculturas célebres, objetos decorativos, bem como fotos e desenhos arquitetônicos. Todos testemunham uma era que viu nascer movimentos como o realismo, o impressionismo, o simbolismo, bem como a secessão austríaca e o pictorialismo.

Obras do Museu d’Orsay

O Museu d’Orsay revive nomes como Daumier, Millet, Courbet, Carpeaux, Manet, Monet, Renoir, Degas, Cézanne, Rodin, Gauguin, Van Gogh, Gallé, Guimard, Lalique, Redon, Matisse, Moreau, Vuillard, Bonnard, Bourdelle, Maillol e muitos outros.

Algumas obras de destaque presentes por lá são:

  • Olympia, de Édouard Manet
  • La Méridienne, de Vincent van Gogh
  • Noite Estrelada sobre o Ródano, de Vincent van Gogh
  • Autorretrato, de Vincent van Gogh
  • Campo de Papoulas, de Claude Monet
  • Os Jogadores de Cartas, de Paul Cézanne
  • Le Déjeuner sur l’Herbe, de Édouard Manet

As obras do Museu do Louvre também estão no roteiro? Veja os destaques.

Onde fica o Museu d’Orsay

O Museu d’Orsay fica em uma das regiões mais charmosas de Paris, próximo ao Rio Sena e à Notre Dame, no endereço: 1 Rue de la Légion d’Honneur, 75007.

O Rio Sena margeia o Museu d’Orsay pela esquerda, enquanto os museus do Louvre e de Orangerie estão logo a frente, junto ao Jardim das Tulherias, na margem direita.

Quer ter uma outra perspectiva sobre o museu? Veja se fazer um cruzeiro no Rio Sena vale a pena.

Como chegar no Museu d’Orsay

Se estiver na região do Quartier Latin, próximo à Boulevard Saint-Michel e Saint Germain, sugerimos que vá a pé. A caminhada é curta e vale a pena ir vendo a cidade.

Todavia, se quiser utilizar transporte público em Paris, são estas as opções:

  • Metrô: estação Solferino (linha 12);
  • RER: Musée d´Orsay (linha C);
  • Ônibus: linhas 63, 68, 69,73, 83, 84,87 e 94;
  • Velib‘: estação n.° 7007, 62 rue de Lille.

A terceira dica é fazer o passeio no Barco Turístico Hop-On Hop-Off pelo Rio Sena e descer em uma parada próxima ao museu. Os bilhetes são válidos por 24h ou 48 horas e custam a partir de 17€, por pessoa.

Ingressos para o Museu d’Orsay

São vários os tipos de ingressos oferecidos. Os normais são adquiridos online, ou na própria bilheteria do museu. Mas algumas opções de tours e ingressos em conjunto com outros museus também são encontrados em plataformas de turismo.

Veja algumas opções:

Ingressos para o Museu d’Orsay: no museu

Compre na bilheteria ou online, na área de tickets do site oficial do museu.

Eles custam:

  • Bilhete normal: 14€;
  • Bilhete reduzido: 11€ – válido para os acompanhantes de jovem menor de 18 anos, residentes na União Europeia, até o limite de 2 acompanhantes por pessoa;

Entrada gratuita no d’Orsay válida para:

  • Menores de 18 anos;
  • Pessoas entre 18 e 25 anos cidadãos ou residentes da União Europeia;
  • Aderentes do Carte Blanche e membros de associações ligadas ao museu;
  • Todo primeiro domingo de cada mês.

O serviço de audioguia é cobrado à parte e custa 5€. Turistas que tenham o Paris City Pass têm entrada inclusa no Museu d’Orsay.

Ingressos para o Museu d’Orsay: sem fila

Se quer entrar sem fila espreite o Get Your Guide. Para evitar filas no museu:

Ingressos para o Museu d’Orsay: tours guiados

Se quiser conhecer em mais detalhes o museu, opte pelas visitas guiadas com especialistas em história da arte. Esses tours, normalmente, também oferecem o acesso sem fila.

Veja algumas opções:

Museu D'Orsay Rio Sena

Veja também como comprar ingressos para o Museu Van Gogh.

Horário de funcionamento do Museu d’Orsay

O Museu d’Orsay funciona de terça a domingo, das 9h30 às 18h. O encerramento das salas começa às 17h15. Às quintas, o museu fecha mais tarde, às 21h45, com encerramento das salas a partir das 21h15.

Está fechado às segundas e nos dias 1 de maio e 25 de dezembro.

Quanto tempo dura a visita?

Antes de mais nada, compre seu ingresso antecipadamente e chegue cedo para evitar as filas. Dentro do museu, aqueles mais minuciosos e que gostam de apreciar os detalhes estimam um tempo de visitação entre 2 e 4 horas para conhecer cada sala e galeria do edifício.

Por outro lado, se você faz o perfil mais prático e quer só “dar uma passadinha”, a visita fica entre 1 e 2 horas.

Dá para entrar até no Museu do Louvre sem fila, veja como isso é possível.

Dicas para visitar o Museu D’Orsay

Assim como os demais museus mais badalados, filas são sempre esperadas, ainda que evitáveis se você comprar antecipadamente seus bilhetes, chegar com antecedência ou evitar os dias mais disputados.

A seguir, confira algumas informações para garantir a melhor experiência possível nas dependências do Museu d’Orsay.

Mapa do Museu

O museu é dividido em 3 andares, e o Pavillon. No térreo, estão localizadas as esculturas, em sua maioria. Outros espaços são preenchidos por obras iniciais de pintores como Degas, Monet e Manet.

O primeiro piso também conta com a galeria dos Simbolistas e trabalhos do movimento Acadêmico dos anos 1850.

No primeiro andar, chamado de Level 2, se encontram os movimentos de Naturalismo e Art Nouveau francesa, belga e italiana. Aos apreciadores, é aqui que encontram um pouco do neo e pós-impressionismo de Van Gogh e Gauguin.

De lá, você terá acesso aos quatro andares do Pavillon Amont, onde se encontram obras de Art Nouveau provenientes de diversas localidades, como Europa Central, do Norte, Escandinávia, Áustria, Grã-Bretanha e América.

O gran finale fica por conta do último piso, chamado de Level 5, onde as obras impressionistas entre 1860 e 1900 fazem as vezes.

Lembre-se, entretanto, que a localização das obras é atualizada a cada manhã, antes da abertura do museu. Para se organizar entre suas preferências, acesse o Mapa Interativo e localize as salas e obras que mais deseja ver durante a visita.

Audioguia

Se quiser, é possível pagar 5€ adicionais pelo audioguia, com mais de 300 comentários sobre as obras. O serviço está disponível em alemão, inglês, chinês, espanhol, francês, italiano, japonês, português e russo.

Café e restaurante

O museu também dispõe de dois cafés e um restaurante, todos belíssimos, que podem ser paradas interessantes tanto para comer alguma coisa quanto para tirar fotos incríveis.

E boas notícias! É permitido tirar fotos do local, desde que sem flash.

museu d'orsay em paris

O que ver perto do Museu d’Orsay

O Museu d’Orsay está em local privilegiado na cidade de Paris e pode facilmente ser um passeio entre atrações próximas. Quando estiver por lá, não deixe de conferir também:

Catedral de Notre Dame

Mesmo ainda fechada, após o incêndio em abril de 2019, vá ver a Catedral de Notre Dame de fora. Símbolo da capital francesa, a Notre Dame é uma das catedrais góticas mais antigas do mundo.

Jardim de Luxemburgo

Um dos jardins mais bonitos de Paris, o Jardim de Luxemburgo data de meados de 1600, quando Maria de Médicis, que ainda vivia no Louvre enquanto era Palácio Real, decidiu construir um palácio de estilo italiano.

Hoje, o Palácio de Luxemburgo, situado no jardim, é a sede do senado francês. Visita também obrigatória em Paris.

Quartier Latin

Passeie pelo Quartier Latin. A região que engloba o bairro número 5 e uma parte do 6 é uma das áreas mais charmosas da cidade.

Tem o seu ponto central na Sorbonne, situada na boulevard Saint Michel. O local merece um passeio longo, a pé, passando por Saint Germain e locais como o Panthéon e a conhecida rua La Huchette.

Veja uma lista com os principais pontos turísticos de Paris.

Vale a pena visitar?

Tamanha sua complexidade até chegar a uma arquitetura leve e agradável, o resultado não poderia ser diferente. Um dos melhores museus de Paris, ele se destaca pela praticidade em que os visitantes conseguem se deslocar e apreciar as obras de arte.

Ainda que pequeno, o Museu d’Orsay é muito bem organizado e extremamente charmoso. Aqui, o tamanho praticamente não faz diferença, já que isso não faz dele menos importante ou com menos obras de destaque.

Para muitas pessoas, especialmente aos amantes da arte impressionista, o museu permite uma experiência até melhor que a proporcionada pelo protagonista, Louvre.

Planejando sua viagem a Paris, na França

Quando for conhecer o Museu d’Orsay, saiba que a França exige um seguro viagem de seus turistas. O país faz parte do Tratado de Schengen, que libera os turistas a viajarem pelos destinos parceiros sem passar pela imigração. Porém, é preciso estar com um seguro viagem com cobertura mínima de 30 mil euros em mãos.

Por isso, sugerimos que você confira os valores no nosso comparador de seguro viagem do Euro Dicas Turismo e escolha as melhores opções de seguro para a sua necessidade.

Ganhe desconto. Para pagar menos 10% do valor do seu seguro viagem, insira o nosso cupom de desconto EURODICASTURISMO (para ganhar 5% de desconto) na hora do pagamento e pague por boleto bancário (para ganhar mais 5%).

O Museu d’Orsay está entre os melhores museus da Europa.

Prepare a sua Viagem:
  • Sabia que é obrigatório ter Seguro de Viagem para visitar a Europa?

    Seja por lazer, negócios ou outro motivo, a imigração no aeroporto pode exigir esse documento no país destino. Se você não tiver, será obrigado a voltar ao Brasil. Em parceria com a Seguros Promo garantimos aos nossos leitores o melhor preço de seguro de viagem.

    COTAR SEGURO »
  • Vai precisar de carro? Para aluguel de carros na Europa esta é a nossa sugestão

    Ter um carro à disposição é um conforto enorme dependendo do tipo de viagem (em família, road trip, etc). Na Europa, sempre alugamos através da RentCars que tem os melhores preços do mercado.

    VER CARROS »
  • Viaje sempre com internet no celular

    Para consultar o Google Maps, chamar um Uber, tirar qualquer dúvida ou para alguma emergência, viajar com internet sem depender de Wi-Fi é essencial hoje em dia. O Chip que usamos sempre em nossas viagens é o da Viaje Conectado que tem os melhores preços e cobertura de 4G do mercado.

    VER PLANOS »
Este artigo pode conter links comissionados para serviços e produtos de parceiros do Euro Dicas Turismo.
Compartilhe
Autores

Denise Mustafa é jornalista, fotógrafa e especializada em conteúdo e gerenciamento de marcas. Já passou uma temporada em Portugal, viajou bastante por aí e, agora vivendo no Brasil, escreve para grandes sites brasileiros de viagem, sempre à frente da sua Travessia Conteúdo & Branding, atravessando oceanos e contando suas experiências para outros viajantes.

Brasileira, tem formação em Design de Games e Comunicação em Computação Gráfica. Apaixonada por tecnologia, cinema e literatura, desapegou e foi viver na Europa em 2015. De volta ao Brasil, hoje é grande entusiasta de um estilo de vida quase nômade.