Moro há pouco mais de dois anos na região e venho descobrindo o vinho toscano pouco a pouco, entre uma degustação e outra, nas feiras e eventos que tenho participado, como sommelier e jornalista. Muitas pessoas não sabem, mas vários dos rótulos e procedência de alguns dos melhores vinhos italianos saem da Toscana.

Chianti, Brunello di Montalcino, Nobile di Montepulciano e, claro, os famosos Super Toscanos, saem daqui, desse pedacinho de território, bem no centro da bota. Em 2023, a prestigiada revista Wine Spectator entregou o prêmio de melhor vinho do mundo a um toscano, o Brunello di Montalcino da vinícola Argiano, que nos últimos 10 anos é de propriedade de um brasileiro.

Fica comigo que vou contar um pouco sobre o vinho toscano, suas uvas nativas, a cultura da produção vitivinícola nesse território e como foi a minha experiência na primeira participação no evento Benvenuto Brunello, que apresenta à profissionais do setor, trade e imprensa, a safra que ainda não chegou ao mercado.

Toscana, o berço do Sangiovese

Toscana, antiga e tradicional região produtora de vinhos na Itália. Atualmente, um dos mais importantes berços mundiais em termos de inovação no mundo dos vinhos.

Os tradicionais e mundialmente conhecidos vinhos, como os produzidos na área do Chianti; os famosos Brunellos, da região de Montalcino; mas além deles, os Nobile de Montepulciano e ainda os famosos Super Toscanos, da região de Bolgheri. Todos eles produzidos em apenas uma das 20 regiões italianas, a Toscana.

Compartilhei também as principais rotas do vinho na toscana; se você chegou até aqui, tenho certeza que vai curtir também esse texto, que ainda te ajuda a desenhar um roteiro através dos vinhedos da Toscana.

A Toscana é berço de uvas autóctones, ou seja, nativas do território, conhecidas e utilizadas em outras partes do mundo e que produzem vinhos de excelente qualidade. Entre elas a queridinha Sangiovese, mas também a Vernaccia do San Gimignano, a Trebbiano, a Canaiolo, a Colorino, a Cilegiolo e tantas outras que sozinhas ou em blends, acrescentam estrutura, sabor e aroma aos vinhos.

Toscana, terra de contrastes

A Toscana é uma terra de contrastes: paisagens rurais que mais parecem uma pintura; montanhas, praias, colinas, ciprestes, olivais e vinhedos por todos os lados; terra de camponeses, pessoas simples; burgos medievais e ainda mais antigos, que preservam sinais de antigas civilizações, como a romana e a etrusca; uma gastronomia rica de sabores, mas pobre em sua essência e na utilização dos seus ingredientes, pois revive tempos difíceis pelos quais passou o país e a região.

Só quem passa um certo tempo aqui e entra a fundo na cultura toscana reconhece o verdadeiro valor do ‘menos é mais’.

E como se tudo isso não bastasse, o mundo do vinho é um mundo à parte – e gigante! O tradicional e o moderno convivem lado a lado pelo bem da ciência vitivinícola. Tradicionalismo, respeito ao passado, mas com os olhos abertos à inovação, às boas práticas, à ciência e à tecnologia; tudo convivendo em harmonia, como uma bela sinfonia.

A preservação e a manutenção de regras estabelecidas no passado e que até hoje são seguidas, garantem a reputação dos vinhos italianos mundo afora. Por outro lado, a audácia e a aventura, de ir na contramão de um país inteiro, fez surgir o novo; pérolas que fizeram uma verdadeira disrupção no platô estabelecido até então, quando falamos dos Super Toscanos de Bolgheri, que abriram o caminho para outras disrupções mundo afora.

A Toscana, seus números e seu terroir

O mundo acompanha o vinho italiano. Safras são acompanhadas por revistas especializadas em vários países do mundo. Elas precisam ser listadas, entendidas, explicadas e compiladas para se ter um histórico de como a natureza se comportou em cada ano de colheita.

Na Toscana, por exemplo, as áreas vitivinícolas mais acompanhadas de perto por especialistas do mundo todo são as de Bolgheri, Chianti Classico, Brunello di Montalcino e a região da Maremma, de onde partem vinhos importantes do território italiano, potentes, intensos e corposos, com uvas autóctones, mas também as internacionais, como a Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Petit Verdot, etc.

A Toscana sempre foi sinônimo de inovação. Sempre se reinventou. Não é à toa que foi o berço do Renascimento no mundo. Possui a ‘Denominação de Origem Controlada e Garantida’ – DOCG de maior valor agregado da Itália, a dos Brunello di Montalcino.

Barricas de carvalho em envelhecimento na Toscana
Adegas para envelhecimento dos vinhos climatizadas, com controle de luz e umidade. Foto Cyntia Braga

Além disso, possui a área demarcada com regras disciplinares para seus vinhedos mais antiga do mundo, a do Chianti Classico. Por sua vez, regidas pelo edital criado em 1716 por Cosimo III de Medici, Grão-Duque da Toscana, para toda a zona de produção vinícola do Chianti, entre Firenze e Siena, englobando ainda algumas microrregiões à leste e oeste.

Cosimo III, com esse edital, disse ao mundo, ‘só pode se chamar Chianti os vinhos produzidos nesse pedaço de terra: Pomino, Carmignano, Chianti e Val D’Arno di Sopra’, assim criando a primeira DOC no mundo, seguida posteriormente pelo vinho Tokaj da Hungria, o Porto em Portugal e obviamente, por várias regiões da França.

E para os que quiserem conhecer a história de séculos de disputas entre Siena e Firenze, e de como elas terminaram, recomendo investir alguns minutos assistindo ao vídeo que conta a história de como surgiu o nome oficial do consórcio do Chianti Classico, a Leggenda del Gallo Nero del Chianti. 

Nas 20 regiões da Itália existem mais de 350 uvas em produção atualmente. Em termos de classificações o país possui: 330 DOC + 77 DOCG + 118 IGT

Mas o que é DOC, DOCG e IGT?

Antes de mais, é preciso saber que o território toscano atualmente possui 41 DOCs 11 DOCGs e 6 zonas de IGT. Só no Chianti existem 7 denominações diferentes.

Nesse belo pedaço da Itália, 66% da produção de vinhos é feita com sua uva autóctone, a Sangiovese, em suas diversas variações. 85% da produção toscana são de tintos, mas, ainda são produzidos, brancos, rosés e até espumantes de excelente qualidade.

O que todas essas siglas querem dizer? Vamos lá:

  • DOC: Denominação de Origem Controlada, significa que os vinhos com esse selo são regulamentados não apenas pelo tipo da uva e onde elas são cultivadas, mas também pelo rendimento das safras, níveis de teor alcoólico e uso de barris de carvalho;
  • DOCG: Denominação de Origem Controlada e Garantida é tudo isso acima, com a exigência de que os vinhos sejam submetidos à análise técnica e degustados por um comitê governamental, antes de serem vendidos no mercado. Os DOCG possuem uma etiqueta com uma numeração específica, para evitar falsificações;
  • IGT: Indicação Geográfica Típica, uma nova classificação; disrupção total com as antigas regras italianas. Inovação, audácia e aventura que levaram para o mercado vinhos diferentes, estruturados, de excelente qualidade e bevibilidade, mas muito diferentes dos Chianti Classico. As regras do IGT referem-se principalmente a obrigatoriedade dos vinhos serem engarrafados dentro do seu território, independente da escolha das uvas;
  • DOC Bolgheri: uma nova denominação que introduziu, a despeito das regras do Chianti Classico, a obrigatoriedade de uso de castas internacionais em seus blends.

Pérolas de qualidade nas pequenas parcelas de vinhedos, os chamados CRU’s

E a região ainda tem seus CRUs, ou aqui na Itália chamados de MGA – Mensione Geografiche Aggiuntive – que são os termos usados para denominar um vinhedo específico ou uma zona determinada, onde é produzido um vinho de características muito particulares e originais.

Normalmente são lotes menores de terra, de onde saem uma quantidade limitada de garrafas e de qualidade excepcional. A cada ano que passa mais e mais pedidos de reconhecimento de vinhedos CRUs surgem no território toscano.

Além disso, a Toscana possui uma diversidade absurda de terroirs. Solos calcários, argilosos e montanhosos; colinas que a milênios de anos eram fundo do mar; correntes marítimas que conferem frescor e salinidade aos vinhos; verões com pouquíssima chuva, altitude, frio, calor e uma exposição solar perfeita.

A identidade dos vinhos toscanos

Hoje os vinhos toscanos são reconhecidos como alguns dos melhores do mundo e, na minha opinião, são sinônimo de forte identidade territorial, ou seja, resgate e uso das suas uvas nativas. Mas, ao mesmo tempo, demonstram uma excelente valorização das castas internacionais, em particular, para a DOC Bolgheri.

Os vinhos toscanos têm uma forte pegada gastronômica; sua alta acidez proporciona que muitos dos vinhos sejam guardados por mais tempo. Seus taninos são muito marcados, o que exprime verdadeiramente a marca do território toscano. Ao mesmo tempo, existe uma grande variedade de vinhos toscanos frescos, que precisam ser consumidos jovens e são de excelente qualidade.

A Toscana é uma das gigantes da indústria do vinho, entrega milhões de garradas por ano e exporta mundo afora. Ao mesmo tempo que se vê pequenos produtores mantendo suas tradições e entregando vinhos de extrema qualidade, sem exportar.

Em termos de inovação, uma crescente onda de rosés e espumantes, tem proporcionada a Toscana oferecer um ciclo completo de degustações para seus turistas. Além disso, a crescente preocupação com a produção de vinhos naturais e biodinâmicos, ou seja, uma menor intervenção humana na produção dos vinhos, está colocando a Toscana à frente de muitos outros países, em se falando de produção vitivinícola.

Ficar conectado na Europa nunca foi tão fácil

Com a America Chip você tem internet 4G ilimitada durante toda a viagem. Escolha entre o chip e o eSIM e aproveite a Europa com a melhor conexão a partir de USD 40.

Ver Planos →

Minha experiência no Benvenuto Brunello

Participei em Montalcino, na Toscana, da 32ª edição do Benvenuto Brunello, um evento especial para a apresentação dos Brunellos da safra 2019.

Organizado pelo Consorcio de Vinhos Brunello de Montalcino, pelo 2º ano consecutivo as degustações aconteceram simultaneamente em Londres, Nova Iorque, Dallas, Miami, Toronto, Vancouver, Zurique, Shangai e Tokyo. Em todos esses lugares os participantes puderam degustar os Brunello safra 2019, considerada pelos experts uma excelente safra, mas também os Brunellos Reserva 2018 e claro, os Rosso di Montalcino 2022.

Um evento para jornallistas, trade e operadores do setor vitivinicolo
Um dos principais eventos anuais de vinhos na Toscana. Foto Cyntia Braga

No primeiro final de semana de evento foi a vez de mais de 70 jornalistas de diversos países, entre eles, o Brasil, degustarem essas iguarias líquidas. E eu estava presente ao evento. Foram 188 vinícolas participantes e 250 rótulos a disposição.

E digo que é impossível degustar tudo! Na entrada ganhávamos uma ficha, com a listagem completa dos 250 rótulos apresentados. Cada participante selecionava os vinhos que gostaria de degustar, em sequências de 6 rótulos; chamava o sommelier que atendia a sua mesa, e ele – ou ela – trazia os vinhos para degustação. Após a sua degustação, análise e anotações, você começava tudo de novo: uma nova sequência de 6 rótulos e assim por diante.

Amigos no lugar certo

Sou sommelier iniciante, e tive a sorte de ser atendida por uma amiga sommelier, do meu curso da AIS – Associação Italiana de Sommelier, que naquele dia estava a trabalho e atendendo a minha mesa. Ela me deu dicas de bons vinhos para degustar, além de me avisar quando chegavam os rótulos TOP apresentados no evento, que rapidamente acabavam e demorava um pouco para chegarem novamente ao recinto. Entre eles, o queridinho do ano, Argiano safra 2018, que foi eleito pela Wine Spectator, com 95 pontos, o melhor vinho do mundo em 2023.

Degustação técnica de Brunello di Montalcino safra 2019
A seleção dos vinhos que se vai degustar é importante, pois nunca de consegue degustar todos os vinhos oferecidos nos eventos. Foto: Cyntia Braga

Bati meu recorde neste evento, tendo conseguido degustar mais de 80 rótulos durante quase 8 horas de degustação, mas, claro, que com o auxílio da nossa sempre presente ‘sputacchiera’, que é o recipiente onde se joga fora o vinho, depois de mantê-lo por algum tempo em boca e sentir todos os aromas que cada vinho pode proporcionar. Impossível beber tudo o que se degusta, mas, enfim, sigo na minha meta de ir descobrindo o vinho toscano, pouco a pouco.

Minha seleção de Brunellos

Existem Brunellos maravilhosos, mas sabemos que gosto é uma coisa muito particular, em todo o caso, selecionei alguns dos meus eleitos do dia, para aqueles apreciadores de Brunello di Montalcino:

  • Capanna Riserva 2018;
  • Carpineto Riserva 2018;
  • Casanova di Neri 2019;
  • Fuligni 2019;
  • Poggio di Sotto 2019;
  • Corte Pavone Riserva 2018;
  • Talenti 2019;
  • Donatella Colombini  2019;
  • Roberto Cipresso 2019;
  • Gianni Brunelli 2019;
  • Gorelli Giuseppe 2019;
  • Argiano Riserva 2018.

Feiras e manifestações de vinhos na Toscana

E para você que adora vinhos, gosta de conhecer novos rótulos, está se programando para vir para Itália em breve e quer participar de alguma feira ou manifestação de vinhos, fique ligado nos eventos dos próximos meses na Toscana:

Eventos em fevereiro

  • 10 a 12 de fevereiro – Prévia do Vino Nobile di Montepulciano;
  • 14 a 19 de fevereiro – Anteprime Toscane 2024, com os principais rótulos da região.

Eventos em março

  • 4 de março – Maremma – la natura del vino;
  • 9 a 11 de março – Chianina & Sirah – Cortona;
  • 16 a 18 março – Vinipendenti – Pisa;
  • 17 a 18 março – Anteprima Vini della Costa Toscana – Lucca;
  • 24 a 25 março – Terre di Toscana, eccellenze nel bicchiere – Lido di Camaiore,

Eventos em abril e maio

  • 25 a 28 de abril – Orcia Wine Festival – San Quirico d’Orcia (Siena);
  • 4 a 5 de maio – Valdichiana Wine Festival – Castiglion Fiorentino (Arezzo).

Para outros meses e outras regiões da Itália consultar o Insidewine, a Tannina e o Calice di vino.

E isso é só o começo, pessoal!! Para os que se aventuram a entrar no fascinante mundo dos vinhos, um evento e degustação de 80 rótulos em um dia é só o pontapé inicial dessa inebriante e deliciosa jornada.

Espero você com uma taça na Toscana!