Park Guell: veja como visitar, horários e como comprar ingressos

Visitar Barcelona  / 

Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1984, o Park Guell (também chamado de Parque Güell ou Parc Guell) é um enorme e belíssimo parque urbano localizado no distrito de Grácia, em Barcelona, concebido pelo arquiteto e expoente máximo do modernismo catalão Antoni Gaudí.

O local vale a visita, mas fica afastado do centro e dos pontos turísticos tradicionais, portanto é preciso se planejar para conhecer as obras e garantir a entrada.

Breve história do Park Guell

O Parque Guell foi encomendado por Eusebi Güell, conde de Güell e empresário catalão, para construir uma urbanização de luxo nas imediações da cidade, um local conhecido como Monte Carmelo.

Para completar o projeto ele ainda adquiriu duas fazendas adjacentes – Can Muntaner de Dalt e Can Coll i Pujol. O projeto deveria seguir o padrão das cidades jardim concebidas por Ebenezer Howard e as zonas ajardinadas eram inspiradas nos Jardins de la Fontaine da cidade de Nimes, onde Güell viveu durante a juventude.

O arquiteto Antoni Gaudí foi escolhido para dar vida ao projeto, junto de colaboradores como Josep Maria Jujol, Francesc Berenguer e Joan Rubió; o empreiteiro Josep Pardo i Casanovas assinou as obras e o parque foi construído entre 1900 e 1903.

Também já falamos sobre como planejar a viagem para Espanha. Confira quanto custa, como comprar passagem e outras dicas.

O projeto foi um fracasso de vendas

Apesar dos grandes nomes, da proposta ambiciosa e dos preços razoáveis o projeto foi um verdadeiro fracasso de vendas; apenas duas das 60 parcelas triangulares para construção de moradias foram vendidas, uma delas para Gaudí e outra para o advogado Martí Trias i Domènech, amigo de Güell e do arquiteto.

Para compensar minimamente os custos do projeto, Güell permitiu visitas pagas ao parque pelo público geral e abriu o local para eventos sociais, como o Primeiro Congresso Internacional da Língua Catalã em 1906.

O parque foi vendido ao Município de Barcelona

Park Guell em Barcelona

O conde faleceu em 1918 e o Parque foi vendido ao Município de Barcelona em 1922, sendo inaugurado como parque público em 1926.

Em 1968 o local foi classificado como Monumento Histórico Artístico da Espanha e em 1984 recebeu o título de Patrimônio da Humanidade, incluído no sítio Obras de Antoni Gaudí.

Veja também pontos turísticos em Barcelona.

Como é o Park Guell

São mais de 17 hectares divididos em árvores – palmeiras, pinheiros, eucaliptos, figueiras, ameixoeiras, agaves, lavandas, salvas e heras -, mosaicos de cerâmica coloridos, figuras de animais e formas exóticas e geométricas

As entradas são ladeadas por colunas de pedra rústica, extraída do próprio local (mais especificamente, ardósia e calvário). Na entrada principal, uma casa funciona como loja de souvenirs e a outra guarda uma exposição audiovisual sobre a história do parque.

Veja também um guia para fazer turismo na Espanha.

Praça oval na zona central é o destaque

O ponto de destaque do parque é a praça oval na zona central, delimitada ao sul por um banco ondulante que permite uma belíssima vista panorâmica sobre a cidade.

Não pense que é qualquer banco: são 110 metros de longitude coberto por pequenos pedaços de cerâmica e com a forma de uma serpente!

Escadaria monumental

Uma escadaria monumental, com três fontes e pavilhões característicos do estilo de Gaudí, também se destaca sobre a praça.
O arquiteto foi tão genial que aproveitou o desnível de 60 metros da montanha e criou um caminho de elevação espiritual; no alto (que também é a parte mais alta do parque) está o Monumento ao Calvário, que oferece uma vista incrível.

Por fim, não deixe de conhecer a Casa Museu Gaudí, que pertenceu ao arquiteto e onde ele morou entre 1906 e 1925. O local reúne uma coleção de obras do arquiteto.

Veja quais são os principais pontos turísticos da Espanha.

Onde comprar ingressos

São duas áreas: o Núcleo Monumental, para o qual é necessário pagar entrada, e a área de acesso gratuito, que é aberta a todos os visitantes.

Os ingressos podem ser comprados em Barcelona, mas recomenda-se que sejam adquiridos com antecedência para garantir a entrada e evitar perder viagem (principalmente porque o Parque fica afastado do centro).

Tipos de ingressos

São dois tipos de ingressos, o individual e para grupos, e é possível optar pela tour simples, completa, com guia e privada; o mais simples e individual sai a partir de 7,50 euros e crianças entre sete e 12 anos e idosos com mais de 65 anos pagam 5,25 euros.

No Get Your Guide o valor do ingresso é a partir de 9,60 euros por pessoa para entrada sem fila. Os horários de visita estão disponíveis nesse link.

Dica: dá para comprar o ingresso com até três meses de antecedência e comprando pela web você paga um euro a menos. Desconto é desconto, né?

Fila de espera

O número de visitantes é limitado por horário, portanto se você chegar sem o ingresso comprado com antecedência corre o risco de precisar esperar. O tíquete informa qual seu horário de visitação e você entrar até, no máximo, meia hora depois.

Em média, um visitante demora entre meia hora e uma hora e meia para visitar as duas áreas do parque; programe-se para gastar pelo menos três horas apreciando as obras do local, o intenso verde e as vistas deslumbrantes de Barcelona.

Como chegar ao Park Guell

No site oficial do Parque Güell você encontra as informações para chegar ao local de metrô, ônibus, ônibus turístico, carro e taxi.

São três entradas: a principal, na “Carrer de Larrard“; “uma na Carretera del Carmel“, nº 23, onde também ficam os ônibus turísticos; e a última na Passatge de San Josep de la Muntanya, na qual os visitantes entram por uma escada rolante.

O Park Guell atenta para o fato de que pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida podem ter dificuldades para se locomover pelo local devido às características arquitetônicas, com lances de escadas e caminhos irregulares, e oferece um itinerário adaptado a essas necessidades.

COMPARTILHE
Autor

Clara é natural do interior de São Paulo e tem muito orgulho do sotaque caipira. Jornalista que adora gatos, tatuagens e livros, vê o mundo de cabeça para baixo e tem como vícios memes da internet e soltar piadas inesperadas no meio de uma conversa.