Há anos mando dicas para amigos sobre o que fazer em Budapeste e todos sempre voltam de lá impressionados com a beleza da cidade, com a cultura singular e com a estranheza da língua local – a única que até o diabo respeita, segundo Chico Buarque.

Neste guia lapidado ao longo dos anos, você vai encontrar as principais atrações turísticas, as comidas típicas imperdíveis, os melhores bairros para se hospedar, e o que fazer na agitada noite da capital da Hungria.

O que fazer em Budapeste?

Budapeste é uma cidade relativamente pequena. Como você pode ver no mapa abaixo, as principais atrações não são distantes umas das outras e é possível fazer tudo a pé — isso se você estiver em dia com a sua meta de passos diários.

Mesmo assim, é preciso planejar muito bem para conseguir aproveitar tudo que essa cidade oferece porque você sempre vai querer ficar um pouco a mais em cada atração. Ou vai ficar uns minutos admirando um prédio do tempo do Império Austro-Húngaro, ou vai simplesmente parar e observar o cotidiano dos moradores locais.

Quantos dias são suficientes em Budapeste?

Três dias inteiros seria o mínimo para você poder voltar para casa e dizer que visitou Budapeste. O motivo é simples: Buda e Peste são, na verdade, duas cidades distintas com características diferentes, mas que foram unidas pela última vez em 1873, dando origem a Budapeste.

A história desta capital, que se reergueu algumas vezes, devido a invasões e guerras, começa no século I a.C. com o assentamento de Óbuda (Buda antiga). A parte de Buda é montanhosa, requintada, e mais tranquila. Já a parte de Peste é plana, mais popular, e agitada.

Parlamento da Hungria, em Budapeste, com sol
Não deixe de visitar o Parlamento da Hungria, a construção mais imponente do lado de Peste. Imagem: Peter Fussy

Dada essa perspectiva histórica, sugiro que você planeje pelo menos três dias inteiros ou preferencialmente cinco dias, se quiser fazer tudo com calma e realmente mergulhar brevemente na cultura húngara.

O que fazer em 1 dia em Budapeste?

Não tem tempo ou orçamento para ficar mais em Budapeste? Tudo bem. Aqui vão minhas dicas para você sentir o gostinho do que é a capital húngara:

  • Comece pelo impressionante Parlamento húngaro;
  • Aprecie o rio Danúbio (que não é azul) pela margem de Peste;
  • Entre na Basílica de Santo Estevão;
  • Ande no tradicional calçadão da rua Váci;
  • Experimente iguarias húngaras no Mercado Municipal;
  • Cruze o Danúbio pela bela Ponte da Liberdade em direção a Buda;
  • Suba até a Citadella para ter uma vista panorâmica da cidade;
  • Veja as pontes e palácios se acenderem conforme o sol se põe no horizonte;
  • Termine o dia em um “ruin bar”.

Me arrepio aqui em frente ao computador só de escrever esse roteiro curto para conhecer Budapeste. Depois de ver isso, tenho certeza que você vai querer voltar com mais calma em outra oportunidade para explorar o restante da cidade.

O que fazer em 3 dias em Budapeste?

Mesmo com três dias em Budapeste, eu não mudaria o roteiro do primeiro. Para mim, é um jeito de ter uma ideia geral da cidade, passando pelo centro de Peste e terminando com uma vista panorâmica a partir de Buda.

Então, com três dias em Budapeste, faça o roteiro de um dia com mais calma e, nos dois dias seguintes, explore mais cada uma das margens do Danúbio sem deixar de:

  • Visitar toda a região do imponente Castelo de Buda, incluindo a igreja de São Mateus e a Bastilha dos Pescadores;
  • Cruzar o Danúbio por diferentes pontes, principalmente a icônica Ponte das Correntes;
  • Percorrer a avenida Andrassy por cima e por baixo – a peculiar linha de metrô M1 é a mais antiga da Europa continental;
  • Visitar o museu Casa do Terror, que lembra dois sangrentos períodos ditatoriais da Hungria;
  • Conhecer a Praça dos Heróis e o Castelo Vajdahunyad dentro do parque Városliget;
  • Passar pelo menos algumas horas relaxando nas águas termais de um dos tradicionais spas de Budapeste.

Ufa, mesmo com três dias vai ser uma boa correria. Por isso, se puder reservar cinco dias para Budapeste não seria muito. Neste caso, em vez de espremer tudo isso em dois dias, você pode apreciar tudo com mais calma.

Com cinco dias, além do dia um, você pode dedicar um dia inteiro para a região do Castelo de Buda, um dia para a avenida Andrássy, Casa do Terror e Városliget, um dia para aproveitar de verdade uma das termas, e um dia para conhecer atrações de verão ou de inverno (veja mais abaixo).

O que não pode deixar de conhecer em Budapeste?

É difícil resumir Budapeste a apenas alguns pontos turísticos porque toda a cidade tem uma aura própria, mas essas coisas você realmente não pode deixar de conhecer:

Rio Danúbio e suas pontes

Para mim, a maior atração de Budapeste não é uma atração, é a cidade em si. É o contraste entre Buda e Peste. É o rio com suas pontes iluminadas dividindo as duas partes da cidade.

Se você só puder fazer uma coisa, caminhe pelas margens do rio Danúbio, apreciando o Castelo de Buda e a Citadella vistos da margem de Peste, ou o Parlamento, a Basílica e o Mercado Municipal da margem de Buda.

Castelo de Buda

O “quarteirão” do Castelo de Buda é repleto de museus e edifícios de diferentes períodos, do medieval ao neoclássico. É possível passar horas andando pelas ruazinhas do lado de fora do palácio e outras muitas horas na Galeria Nacional e no Museu de História da Hungria.

Turistas visitando a Bastilha dos Pescadores, em Budapeste, na Hungria
A Bastilha dos Pescadores fica na região do imponente Castelo de Buda, atração imperdível na capital da Hungria

Por ali, você também encontra a Bastilha dos Pescadores e a Igreja de São Matias, que começou a ser construída no século XIII e tem uma acústica impressionante. Vale a pena combinar a visita à Igreja de São Matias com um concerto de órgão.

Parlamento

Construído entre 1884 e 1902, o parlamento húngaro é um dos maiores do mundo e representa o auge do império Austro-Húngaro. Por fora, não deixe de ver o memorial dedicado à revolução de 1956 e a “escultura dos sapatos” na beira do Danúbio, que tem uma história de arrepiar.

Mas o parlamento é impressionante tanto por fora, como por dentro. Então, vale a pena fazer uma visita guiada no Parlamento para conhecer suas escadarias cobertas por tapetes vermelhos, seus salões repletos de ouro, e a Sagrada Coroa da Hungria, que foi usada por mais de 50 reis desde a “fundação” da Hungria no ano 1000.

Termas

Pode não ser a primeira coisa que vem à sua cabeça quando alguém fala em Budapeste, mas depois que você visitar uma das casas de banho termais da cidade, para sempre vai ligar a capital húngara a momentos relaxantes em águas medicinais que chegam a 38ºC.

Terma de Széchenyi, em Budapeste, com sol
Faça uma pausa e relaxe por algumas horas nas piscinas quentes da Terma de Széchenyi. Imagem: Peter Fussy

A cidade tem milhares de fontes termais, que foram descobertas pelos romanos, e a maioria das casas de banhos foram construídas durante a invasão turca. Entre os spas mais tradicionais estão: Széchenyi, Gellért, e Rudas (recomendo nessa ordem).

O que fazer a noite em Budapeste?

A noite em Budapeste tem opções para todos os gostos, da ópera à balada, mas, nas últimas décadas, os “ruin bars”, ou bar de ruínas em português, se transformaram no foco da vida noturna, principalmente para turistas. Os “ruin bars” eram nada menos que bares para estudantes, em prédios caindo aos pedaços, com mobiliário vindo direto da garagem do seu avô.

Pioneiro dos “ruin bars”, o Szimpla Kert é atualmente o maior de todos e ainda vale a visita, principalmente fora dos horários de pico. O Instant-Fogas é um complexo que reúne bares e diversos andares de pista para se jogar. Mas se você é mais de sentar e tomar um bom drink, o estiloso Mazel Tov fica logo ao lado.

Os “ruin bars” se concentram todos no antigo bairro judeu, pertinho do centro de Peste. Na mesma área está o Gozsdu Udvar, que reúne diversos restaurantes estilosos na galeria de um prédio, para quem prefere sair só para comer alguma coisa.

O que fazer além do óbvio em Budapeste?

Budapeste oferece diversos museus curiosos. Na região do Castelo de Buda, você encontra o museu Sziklakórház, que fica em um bunker utilizado como hospital e abrigo de bombas. Em alguns dias, eles desligam as luzes e oferecem visitas apenas com lanternas (não recomendado para quem se assusta facilmente).

Outro museu subterrâneo que oferece o mesmo tipo de tour no escuro é o Labirintus: um conjunto de túneis debaixo do Castelo de Buda que já foram usados como esconderijo e prisão. Ali pertinho, está a Casa de Houdini em homenagem a um dos mágicos mais famosos do mundo, que nasceu em Budapeste em 1874.

Se você se interessa pela história do regime comunista que governou a Hungria de 1949 a 1989, o Memento Park reuniu as estátuas e obras que sobreviveram à queda da Cortina de Ferro. Já o Budapest Retro é uma nostálgica exposição interativa sobre o estilo de vida na Hungria durante o comunismo.

Visitar um dos cafés centenários de Budapeste é outra forma de voltar no tempo. Mesmo se não quiser sentar para tomar um café e comer um doce, entre no Café Gerbeaud, no New York Café, ou no Matild Café & Cabaret para uma viagem no tempo instantânea.

Qual a melhor época para conhecer Budapeste?

Eu diria que a melhor época para conhecer Budapeste é no final da primavera (maio e começo de junho) ou no início do outono (setembro e começo de outubro). Neste período, as temperaturas são amenas, mas ainda agradáveis, e a cidade não está tão abarrotada de turistas.

No entanto, o verão é alta temporada em toda a Europa e também não é um período ruim para desembarcar em Budapeste. Entre junho e agosto, faz bastante calor na capital húngara e será uma experiência inesquecível de qualquer forma.

O que fazer em Budapeste no inverno?

Pode ser um pouco mais difícil caminhar por Budapeste no inverno, mas, para quem gosta de frio, há atividades que só acontecem nesta época do ano, como a gigantesca pista de patinação em frente ao castelo Vajdahunyad. O cenário é lindo e tem espaço suficiente para deslizar sem trombar com ninguém.

É no inverno também que ocorrem shows de luz em 3D na Basílica de Santo Estevão. Além de ver os shows, a praça em frente a basílica também abriga um mercado de Natal, que é considerado um dos melhores da Europa.

Piscina interna do Spa Termal Gellért, em Budapeste
O spa Gellért é o mais requintado de Budapeste. Na dúvida, vá em todos, não vai se arrepender. Imagem: Peter Fussy

Agora, imagine pular literalmente da neve para dentro de uma piscina a 38ºC. Isso mesmo, as termas ficam abertas durante o inverno e oferecem uma experiência totalmente diferente com o contraste do frio no exterior e o quentinho das águas medicinais. É uma experiência única.

O que fazer em Budapeste no verão?

No verão, Budapeste fica bastante agitada com concertos e atividades ao ar livre. Uma das principais atrações nesta época é a Ilha Margarida, que fica no meio do Danúbio. Você desce do bonde no meio da ponte Margarida (ou Árpad) e vai tomar sol, fazer um piquenique, andar de bicicleta, ou correr nesta ilha peculiar.

Em outra ilha mais ao norte, ocorre um dos maiores festivais de música da Europa: o Sziget Festival. A experiência completa inclui acampar na ilha para não perder nenhuma das centenas de shows e apresentações que ocorrem durante uma semana em agosto.

Também é somente no verão que a piscina de ondas do spa Gellért, uma das primeiras do tipo no mundo, fica aberta (de maio a setembro). O Gellért fica na região de Buda e é sem dúvida a casa de banho mais luxuosa e requintada de Budapeste.

Preparado para montar o roteiro para Budapeste? Agora está fácil planejar os dias na cidade.