Um castelo cujas origens remontam ao século XVII. Ambientes lotados de espelhos, cristais e pinturas. 800 hectares de construções, jardins e parques. E muito, mas muito ouro, dos portões aos menores detalhes imagináveis. Com uma descrição dessa, não é de se impressionar que o Palácio de Versalhes seja, antes de tudo, um dos locais históricos mais visitados do mundo, com em média, 7 milhões de visitantes por ano. E, além disso, Patrimônio Mundial da Humanidade reconhecido pela Unesco desde 1979.

De antemão, já avisamos que esse passeio é imperdível para quem vai passar por Paris. Saiba tudo sobre como fazer essa visita histórica e cultural!

História do Palácio de Versalhes

Localizado há alguns quilômetros da cidade de Paris, na França, o Palácio de Versalhes foi construído, em um primeiro momento, para ser um lugar de repouso após a caça, atividade muito comum na época.

Ele era bastante utilizado por Louis XIII para este fim específico. Posteriormente, o espaço se transforma em residência real e abriga alguns dos principais reis franceses do final do século XVII ao final do século XVIII.

Nesse sentido, dentre os reis mais famosos estão, sem dúvidas, o rei Louis XIV, mais conhecido como o Rei Sol. Foi ele o responsável por transformar o lugar na residência principal da corte e do governo em 1682, além de estender os limites de Versalhes para além dos pré-definidos por seu pai, Louis XIII.

Por exemplo, a famosa Galerie des Glaces, ou Galeria dos Espelhos em português, sobre a qual falaremos mais adiante, era onde as cerimônias de mais prestígio da época, como a recepção de embaixadas, eram realizadas. Ademais, Versalhes também era muito conhecido como sendo um lugar de divertimento, principalmente em seus grandes jardins.

Hoje é um dos pontos turísticos mais visitados no mundo.

Mas não é só pelos reis famosos que Versalhes tem sua fama. O castelo também foi residência de Marie-Antoinette, personagem emblemática da história da França, que se tornou rainha ao se casar, em 1770, com o Rei Louis XVI. Além disso, em 1789, o espaço também foi palco de vários eventos que se relacionam com a Revolução Francesa.

O Palácio nas últimas décadas

Sob esse ponto de vista, por conta de questões políticas, o palácio permaneceu por muito tempo com uma imagem negativa para o povo da França. Tanto que o final do século XX foi desafiador para o castelo: abandonos, tempestades e falta de manutenção prejudicaram enormemente sua estrutura.

Nesse meio tempo, esse espaço tão visitado hoje, só conseguiu ser mantido devido a uma série de investimentos nacionais e internacionais, responsáveis por financiar inúmeras obras e reformas para conservar esse lugar de tanta história e memória.

O que ver no Palácio de Versalhes?

Em síntese, o Palácio de Versalhes é composto por 2.300 quartos que se estendem ao longo de mais de 63 mil m². Fora isso, ainda há ainda o Grand Commun, um prédio no qual subsistem vestígios do século XVII. Portanto, devido à extensão da construção, é aconselhável aos visitantes reservar um dia inteiro para esse passeio, principalmente se você faz questão de se deter aos detalhes dele.

Dessa forma, se você busca o que fazer em Paris, saiba que a visita ao Palácio é indispensável. Veja abaixo o que você encontra no castelo, para que você possa planejar melhor sua visita:

O grande apartamento do Rei

Trata-se de uma fileira de sete salões que serviam de cenário para os atos oficiais do soberano. É por isso que a decoração desses salões é extremamente rica, com painéis de mármore e tetos cheios de pinturas.

Após sua inauguração, esses apartamentos ficavam abertos ao longo dia, de maneira que era possível ver o Rei e a família real passando por esses espaços cotidianamente. Ainda, durante o reinado de Louis XIV, aquele era o cenário para os eventos noturnos do castelo.

A capela real

Essa capela foi concluída no final do reinado de Louis XIV, em 1710. O teto é surpreendente: feita de arcos, a Santa Trindade, um dos símbolos do cristianismo, é representada em toda sua glória.

Era nessa capela em que eram realizadas as missas diárias da época (normalmente, às 10h da manhã), as grandes festas religiosas e os batismos, por exemplo. Lá também fica o grande órgão de Clicquot, utilizado por grandes mestres da música da época.

A ópera real

Grande obra de Ange-Jacques Gabriel, ela foi a maior sala de espetáculos da Europa em sua inauguração, em 1770. Além disso, a ópera foi considerada de uma proeza técnica e um refinamento decorativo até então jamais visto.

Ela foi o teatro da vida monárquica e depois republicana, acolhendo ao longo de sua história várias festividades, espetáculos e debates parlamentares.

Se o objetivo é assistir a um espetáculo, a Ópera Garnier, no centro de Paris é a melhor opção.

A galeria dos espelhos

Também conhecido como salão da Guerra e salão da Paz, a Galerie des Glaces é o lugar mais emblemático do Château.

Ela ocupa um grande terraço que tem vista para o Jardim do castelo. Uma de suas paredes laterais é repleta de espelhos, que refletem a luz e o próprio Jardim. Esse detalhe, somado com os ornamentos em cristais, ouro e pinturas, faz da Galeria dos Espelhos o ponto mais apreciado pelos turistas.

Turistas no Palácio de Versalhes
Os espelhos, a vista e o jogo de luzes da Galerie des Glaces, faz dela o lugar mais emblemático do castelo. Imagem: Bárbara Ábile

Ela foi construída para ligar o apartamento do Rei, ao norte, e o da Rainha, ao sul. Na época da monarquia, era um lugar de passagem, de espera e de encontros.

Contudo, com o passar dos anos, passou a ser também um lugar político muito importante. Por exemplo, foi lá onde foi assinado em 1919 o Tratado de Versalhes, que colocou fim à Primeira Guerra Mundial.

Os apartamentos do Rei e da Rainha

Tanto o Rei como a Rainha possuíam apartamentos próprios que, por sua vez, eram subdivididos em várias outras salas:

  • Grandes apartamentos;
  • Apartamentos interiores;
  • Salas, quartos e gabinetes para coisas específicas (por exemplo, para cachorros);
  • Salão de jogos, dos guardas, dos nobres; entre outros.

A lista é longa e nos dá indícios de como a vida dessas pessoas era nessa época.

Outros apartamentos

Os outros vários membros da família real também tinham seus próprios apartamentos. É o caso do Appartement de la Dauphine, que já foi ocupado por Marie-Josèphe de Saxe, segunda esposa de Louis de France; e Dauphin, filho mais velho de Marie-Antoinette e Louis XVI. Da mesma forma, também temos os apartamentos das filhas de Louis XV, as princesas da época.

Mas, no Castelo de Versalhes, era normal que pessoas próximas da realeza também tivessem seu espaço particular. É o caso de Madame Pompadour, cujo quarto ficava próximo aos Petits Appartements do Rei Louis XV, por exemplo.

A galeria das batalhas e outras galerias históricas

Tida como o cômodo mais vasto do Castelo, essa é a mais importante galeria dentre as outras criadas no Château, por Louis-Philippe. Ela ocupa praticamente a totalidade do andar da ala sul do castelo, e é composta por aproximadamente 30 grandes quadros, que representam 15 anos de sucessos militares franceses, de Clóvis à Napoleão.

Concebida e realizada a partir de 1833, ela é inaugurada em 1837. Complementarmente a essa grande galeria, o visitante também pode encontrar outras Galeries Historiques, que eram destinadas a expor as glórias militares da França.

Salle du Congrès e outras salas

No castelo você ainda encontra as salas:

  • do Congresso (somente em visita guiada), que até hoje acolhe deputados e senadores;
  • das Cruzadas, que evocam as cruzadas da época;
  • da África e da Itália;
  • do Crime;
  • do Império;
  • Sagrada;
  • de 1792, que mostra as chaves de compreensão do projeto histórico e político do rei dos franceses;
  • e as salas de Louis XIV.

Para além do Palácio

A visita de Versalhes não termina no castelo. Bem como dentro dele, do lado de fora você ainda tem uma imensidão de coisas a descobrir.

Os jardins

Para Louis XIV, os jardins de Versalhes eram tão importantes quanto o próprio castelo. Perfeitamente simétrico, esse jardin à la française conta com:

  • Uma série de canteiros;
  • Desenhos na grama;
  • Fontes redondas e retangulares;
  • Muitas estátuas, bustos e vasos de mármore;
  • Pequenos labirintos;
  • Bosques e divisões que se estendem até o horizonte.

Aliás, aproveite as janelas do castelo para ter essa perspectiva do jardim!

Por outro lado, vale sublinhar que nas estações mais quentes há o festival dos Grandes Eaux Musical, momento em que as fontes são ligadas e combinadas com um jogo de luz, cores e música.

Domaine de Trianon

Acessível a partir de um pequeno trem disponível para os visitantes de Versalhes, os castelos de Trianon foram criados para que Marie-Antoinette pudesse escapar das restrições impostas pela Corte. Sua atmosfera bucólica, bem como seu jardin à l’anglaise contrastam enormemente com o castelo de Versalhes e seus jardins, perfeitamente simétricos.

Nesse sentido, a dica é começar a visita pelo Grand Trianon e ir descobrindo o domínio de maneira cronológica, seguido do Petit Trianon. O Grand Trianon, por exemplo, foi construído para ser a segunda residência de Louis XIV, mas também já foi lugar de algumas estadias de Napoleão e a Imperatriz Marie-Louise.

Ao passo que o Petit Trianon e seu parque são especificamente indissociáveis da Rainha Marie-Antoinette, que passa a frequentar o espaço a partir de 1774. É lá onde fica o Hameau de la Reine, composto por pequenas casas de aspecto rústico dispostas em torno de um lago. Inegavelmente, o passeio por lá é super natural e idílico.

Você sabia a atração servirá de arena nas Olimpíadas em Paris?

Onde está localizado o Palácio de Versalhes?

O Castelo de Versalhes está situado na cidade de Versailles, no departamento de Yvelines, na região sudeste de Paris. Mais precisamente, a 24 km do centro da capital da França. Veja no mapa:

Como visitar o Palácio de Versalhes?

Devido à quantidade de visitantes que o lugar recebe, é indicado que você sempre compre o bilhete para seu passeio no Palácio de Versalhes com antecedência .

Dessa forma, ao optar por fazer essa compra online, você evita filas e consegue organizar seu dia com muito mais tranquilidade.

Ingresso para Palácio de Versalhes

São muitas as formas de comprar seu ingresso para visitar o Palácio de Versalhes.

Se você quer aproveitar tudo o que o Palácio de Versalhes tem para oferecer, além visitar todos os destaques citados acima, o Get Your Guide tem o ingresso perfeito: a partir de 27€ por pessoa. O ingresso inclui acesso ao complexo de Versalhes, incluindo o castelo, a propriedade de Marie-Antoinette, o Trianon e os jardins do Palácio.

Em contrapartida, se você se interessa mais por ter uma contextualização histórica ao longo da visita, também é possível fazer um tour em grupo em Versalhes com guia. Você pode escolher seu idioma preferido e, ainda, optar por incluir uma visita guiada ao jardim ou não. As visitas com acesso guiado aos jardins custam 75€ por pessoa. Por outro lado, as visitas que contam com o acesso livre ao jardim, sem um guia, custam 55€.

Caso você opte por comprar o bilhete no site do Palácio de Versalhes, você pode optar por:

  • Um bilhete simples, no valor de 19,50€;
  • Um bilhete composto de visita guiada com um especialista em história e um acesso prioritário ao castelo, a partir de 55€;
  • Uma outra opção com todos os elementos acima, além do acesso aos jardins e ao domínio de Trianon, por 59€;
  • Uma visita guiada do castelo, com entrada corta-fila e acesso aos lugares mais exclusivos da construção (normalmente fechados para visitas livres), como os apartamentos privados do rei, a Ópera real ou a Capela, por 49€.

Transporte para Palácio de Versalhes

Com o intuito de não se preocupar com transportes, você tem ainda a opção de reservar um bilhete que conta com transporte.

Por 164€ por pessoa, é possível fazer a excursão guiada de meio dia em Versalhes que sai de um ponto central de Paris e te leva até o castelo. Chegando lá, você entra por um espaço reservado e conhece os aposentos junto de uma visita guiada e interativa, juntamente de uma visita livre nos jardins, antes de retornar ao centro de Paris, de ônibus.

Igualmente, se você preferir uma excursão para Versalhes sem fila, você pode optar pelo pacote saindo também de Paris e com acesso a todos os elementos acima, por 99€.

Ir para o Palácio de Versalhes de transporte público

No entanto, se você quiser chegar em Versalhes de transporte público, saiba que também é possível, Versalhes é o destino ideal para um bate e volta de Paris. Você pode utilizar o RER C, uma das linhas de trens de Paris. Você deve parar na estação Gare de Versailles Château Rive Gauche e, de lá, andar aproximadamente 10 minutos a pé até o castelo.

Parte do Palácio de Versalhes
Um dos detalhes do Palácio é a cor rosada do mármore utilizado na construção. Imagem: Bárbara Ábile

De maneira parecida, caso você esteja na estação Paris Montparnasse ou de Paris Saint Lazare, também é possível chegar no Palácio pegando os trens SNCF. Saindo de Montparnasse, você deve parar em Versailles Chantiers e andar 18 minutos até o castelo. De Saint Lazare, você para em Versailles Rive Droite e anda 17 minutos até a atração.

Ainda, se você quer se aventurar desde o início do passeio e chegar em Versalhes de bicicleta, é só acompanhar as placas indicadas pela cidade de Paris.

Se preferir dirigir até o Palácio de Versalhes, veja como alugar um carro em Paris.

Entrada gratuita para Palácio de Versalhes

Saiba que é possível entrar gratuitamente no Palácio de Versalhes. A forma mais conhecida é fazendo esse passeio nos primeiros domingos dos meses de novembro a março. Como forma de fomentar a visita aos museus da cidade, a prefeitura de Paris permite a abertura gratuita ao público tanto do castelo, quanto do Trianon, durante essa época.

Mas você também pode aproveitar a gratuidade do museu não apenas aos domingos, como também em qualquer época do ano, se você:

  • Tem menos de 26 anos e é residente da União Europeia;
  • Tem menos de 18 anos e reside fora da União Europeia;
  • É professor(a) de um estabelecimento de educação francês;
  • É uma pessoa em situação de deficiência; entre outros casos.

Finalmente, há certas partes do domínio que são de acesso permanentemente gratuito:

  • O parque, para pedestres e ciclistas;
  • A Galerie des Carrosses;
  • E o Domaine de Marly, situado a alguns quilômetros do parque.

Mas, acima de tudo, lembre-se que mesmo os visitantes que vão aproveitar a gratuidade para conhecer o espaço também precisam fazer a reserva de seu bilhete on-line.

Paris Pass inclui Palácio de Versalhes

O Paris Pass é um pacote turístico que permite com que você acesse mais de 85 atrações turísticas da cidade de Paris durante 2, 3, 4 ou 6 dias consecutivos, por um valor fechado. Veja as tarifas:

  • 2 dias por 124€;
  • 3 dias por 149€;
  • 4 dias por 169€;
  • 6 dias por 199€.

Dentre as várias atrações do Paris Pass, o Château de Versailles está incluso. Dessa forma, se você pretende passar por vários pontos turísticos da cidade, ou até mesmo outros museus famosos, como o Museu do Louvre, o valor oferecido pelo pacote compensa muito – principalmente se seus pontos de interesse possuem um valor de entrada relativamente alto.

Se tem interesse no Paris Pass, garanta o seu pela Get Your Guide.

Horário de funcionamento do Palácio de Versalhes

Antes de preparar sua visita, anote os horários de funcionamento do Palácio: tanto o castelo, quanto o Trianon ficam abertos todos os dias, menos segunda.

O castelo abre às 9h e fecha às 18h30, enquanto o Domaine de Trianon abre somente 12h, fechando também às 18h30.

Seja como for, a boa notícia é que tanto os jardins, quanto o parque do Palácio ficam abertos todos os dias, até às 20h30.

Qual é a melhor época para visitar o Palácio de Versalhes?

Antes de mais nada, saiba que visitar o Palácio de Versalhes na baixa ou na alta temporada é muito diferente.

Durante a alta temporada, por exemplo, entre abril e outubro, os jardins do Palácio ligam suas fontes de água. Esse momento acaba se tornando um espetáculo, na medida em que há uma sincronização com músicas e, a depender do horário, fogos de artifício – o que torna sua visita ainda mais inesquecível.

Jardin à la française, no Palácio de Versalhes
A simetria dos jardins do Palácio de Versalhes é impressionante. Imagem: Bárbara Ábile

No entanto, por conta da época, você frequentemente vai encontrar uma grande aglomeração de pessoas que também buscam apreciar a beleza da construção. Nesse sentido, se você fizer questão de aproveitar o castelo durante os meses mais quentes, a dica é que você chegue perto da abertura ou perto do fechamento do monumento: em outras palavras, entre 9h e 11h ou após às 15h.

Agora, se você busca um pouquinho mais de calma e menos pessoas no momento de sua visita, nossa sugestão é que você vá na baixa temporada, isto é, entre novembro e março.

Curiosidades do Palácio de Versalhes

Enquanto um lugar cheio de história, o Palácio de Versalhes tem uma série de curiosidades, como:

  • A Sainte Chapelle é o único prédio que é mais alto que o quarto do rei;
  • Os restos de alimentos que ficavam na mesa do rei após sua refeição eram vendidos em torno do castelo. Conta-se que era possível alimentar aproximadamente 150 pessoas todos os dias com as sobras de comida;
  • Na época de Louis XIV, tanto o castelo como os jardins de Versalhes eram inteiramente abertos ao público. A visita era acessível a todos, bastava estar vestido de maneira considerada correta, na época. O castelo era um lugar onde era preciso ir pelo menos uma vez na vida;
  • A Galerie des Glaces tem 357 espelhos.

Contudo, saiba também que:

  • Em 1973 foi realizado um grande desfile de moda no Palácio com o objetivo de recolher fundos para a manutenção da construção. Organizado por Eleanor Lambert, os convidados foram cinco grandes costureiros franceses: Yves Saint Laurent, Hubert de Givenchy, Pierre Cardin, Emanuel Ungaro e Marc Bohan; e cinco estilista estadunidenses: Oscar de la Renta, Bill Blass, Halston, Stephen Burrows e Anne Klein;
  • Desde 1904, o castelo serviu de cenário para mais de 200 filmes e incontáveis fotografias. No que se refere aos filmes, um dos mais famosos é Marie-Antoinette (2006), de Sofia Coppola. Bastante aclamado pela crítica e a partir de uma abordagem contemporânea, o filme conta a história da rainha da França que desperta mais curiosidade.
Ficar conectado na Europa nunca foi tão fácil

Com a America Chip você tem internet 4G ilimitada durante toda a viagem. Escolha entre o chip e o eSIM e aproveite a Europa com a melhor conexão a partir de USD 40.

Ver Planos →

O que ver por perto do Palácio de Versalhes?

Logo depois de explorar o domínio de Versailles, seus castelos e jardins, tome um tempinho para conhecer a cidade de Versailles. Analogamente ao Palácio, não tenha dúvidas que você vai se surpreender com o que ela tem para oferecer.

O quartier Notre Dame

Pertinho da Place du Marché, esse bairro é super charmoso. A feira que acontece nele é um lugar de encontro dos versaillais e existe há mais de 3 séculos.

Lá você pode encontrar cafés e terraços; lojas de antiguidades; pequenas ruas pitorescas; galerias de arte e passagens secretas.

O quartier Saint Louis

Tido como o bairro mais antigo de Versailles, o quartier Saint Louis é um mergulho no século XVIII. Dessa forma, passeie lentamente pelas suas ruas históricas, aprecie as fachadas de seus prédios, sua Catedral e as pequenas casinhas construídas sob o reino de Louis XV.

O Potager du Roi

Potager significa “horta”, em francês. Construída por Louis XV, esse espaço é excepcional. É lá, inclusive, que fica a École Nationale Supérieure de Paysage. Uma das partes mais legais é que nessa horta é cultivadas uma grande diversidade de frutas e legumes que podem, por sua vez, serem comprados na boutique du Potager.

Restaurantes e cafés

Boas opções não faltam aqui! Seja no Le Petite Venise, no Les 3 Marches ou no ReminiSens, sem dúvida você terá uma experiência inesquecível nessa antiga cidade real: para você ter uma ideia, eles possuem notas entre 3,5 e 4,5, segundo o TripAdvisor.

Confira também onde comer em Paris para uma experiência gastronômica incrível.

Planejando sua viagem para Paris

Se você está planejando uma viagem para Paris, logo há pelo menos três detalhes imprescindíveis para serem acertados no planejamento do roteiro para a Europa: ter um chip internacional, um seguro viagem e um cartão de débito.

Chip internacional

Definitivamente, ter acesso à internet assim que sair do avião é cada vez mais necessário: seja para solicitar um táxi, seja para checar a localização do hotel ou até mesmo avisar os amigos e familiares de sua chegada.

Por isso, o Euro Dicas Turismo indica o chip internacional da America Chip. Além do benefício dele funcionar em toda a Europa, a internet da America Chip é ilimitada e os preços são acessíveis.

Comparador de seguro viagem

Como você já deve saber, para entrar na França é necessário ter um seguro viagem. Em outras palavras, o país faz parte do Tratado de Schengen, que por sua vez exige um seguro com cobertura mínima de 30 mil euros.

Então, nossa dica é que você confira os valores de seguro no Seguros Promo e escolha as melhores opções de acordo com a sua necessidade.

Cartão de débito

Nada pior que a falta de segurança em andar com todo o seu dinheiro em espécie ou levar um susto com a fatura do cartão no final da viagem, não é mesmo?

Dessa forma, após o Euro Dicas Turismo ter testado as principais opções do mercado, vimos que a melhor opção de cartão de débito para viagens é o Cartão Wise.

Além dele ser gratuito, seguro e possuir tarifas econômicas, esse cartão Wise é entregue no Brasil e é válido em toda a Europa.